0800 773 6099
24 horas por dia, todos os dias do ano

Faturas Online Serviços Online
22/09
Saiu na Mídia

Usina híbrida a biomassa e gás natural pode dobrar a geração de energia

O projeto de inserção do gás natural nas usinas de açúcar e etanol no estado de São Paulo pode aumentar a produção de energia em 85% na comparação com o atual estágio da produção atual. De acordo com dados da empresa responsável pela condução do projeto, a concessionária GasBrasiliano, o volume de gás natural a ser injetado nos equipamentos é de 14% do volume de biomassa para que essa usina possa quase dobrar a energia injetada na rede.

De acordo com dados apresentados pela concessionária de gás paulista, para cada tonelada de cana são gerados 61 kWh de energia, mas, ao acrescentar o gás natural – ou biogás –, essa produção passa a 113 kWh. O diretor Técnico Comercial da GasBrasiliano, José Waldir Ferrari, explicou que essa usina híbrida atuaria na base com o dobro de energia e com um retorno do investimento duas vezes mais rápido do que a usina convencional.

Essas usinas podem gerar energia o dia todo e afastar o fantasma da sazonalidade característico da fonte biomassa. Aquela parte do ano que não teria energia passa a não existir mais”, comentou o executivo em apresentação durante o 3o Fórum Cogen/Canalenergia, evento realizado em São Paulo nesta quinta-feira, 21 de setembro.

O executivo explicou que para se alcançar esses resultados não são necessárias grandes mudanças na planta de geração com o objetivo de obter quase o dobro da energia obtida na mesma turbina. A central precisa ser de alta pressão onde se queima o gás. “É possível elevar a eficiência de 12% para 19% diante de inserção de pequena quantidade de gás natural e no meu resultado final a geração é 85% maior”, destacou ele.

Esse conceito, contudo, não é novidade. A usina híbrida já existe em diversos países pelo mundo. Inclusive, ressaltou, há uma central de geração híbrida em Amsterdam, na Holanda que é considerada a mais eficiente do mundo. Entre os exemplos citados há usinas na cidade espanhola de Bilbao ou ainda no Japão. Mas todas queimam resíduo sólido urbano e gás, enquanto aqui, acrescentou, temos a capacidade de fazer o mesmo com biomassa.

Esse tipo de usina, afirmou o diretor da GasBrasiliano, valoriza o uso da biomassa com mais eficiência e leva a um resultado econômico e financeiro com taxa de retorno mais atrativo quando comparado à necessidade de capex. Ainda mais por conta de restrições de UHEs pelas quais o país vive. Outro ponto é a pega ambiental, pois com mais energia advinda da fonte, argumentou, é possível inserir no processo energia mais eficiente, com redução das emissões e aumentar a oferta de energia na base com fonte mais limpa ao invés de outros combustíveis mais poluentes.

Fonte: Canal Energia