0800 773 6099
24 horas por dia, todos os dias do ano

Faturas Online Serviços Online
25/08
Saiu na Mídia

Cocal investe em etanol e em unidade de biogás Com aporte de US$ 70 milhões, empresa paulista aumenta a aposta na renovação de sua matriz energética

Para os aportes, a empresa negociou um financiamento privado com o International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial. Serão US$ 40 milhões de recursos próprios do órgão, com prazo de oito anos, e outros US$ 30 milhões obtidos com os bancos Itaú BBA e Rabobank, com sete anos para pagamento.

O empréstimo faz parte de um programa geral de investimentos da empresa, previsto em US$ 92 milhões (cerca de R$ 500 milhões). Ele será utilizado para renovar 27 mil hectares de lavouras de cana e substituir máquinas e equipamentos agrícolas - além da planta de biogás, em Narandiba (SP), que deverá entrar em operação em outubro.

Com o investimento, a Cocal vai produzir biogás, biometano, CO2 e energia elétrica a partir da vinhaça e da torta de filtro, subprodutos industriais nobres do processo de moagem da cana, dentro do conceito de economia circular. Inicialmente, o biogás vai substituir combustíveis fósseis em indústrias da região, onde será distribuído por meio de carretas próprias.

A partir de julho de 2022, o produto também será distribuído para residências, comércio, indústrias e veículos na região de Presidente Prudente, Narandiba e Pirapozinho. A distribuição ocorrerá por meio do gasoduto construído em parceria com a GasBrasiliano.

Paulo Zanetti, diretor-superintendente do Grupo Cocal, diz que a empresa tem concentrado esforços em inovação e no fortalecimento das práticas ESG. A promoção do uso de biocombustíveis e de biofertilizantes também permite o enquadramento no programa de descarbonização RenovaBio.

"O investimento nesses projetos representa uma solução ambiental e socialmente viável e gera produtos versáteis, limpos e competitivos para a região, impulsionando a economia local", afirmou.

A Cocal também vai investir em agricultura de precisão nos canaviais e no uso de tecnologia para buscar ganhos verticais na produção. Tudo conduzido e monitorado em tempo real com a implementação de estações climatológicas online. Entre as técnicas está a correção do solo em taxa variável e a prática denominada ESD (Escoamento Superficial Difuso) - que evita erosão, aumenta o potencial de produtividade e permite elevar a colheita sem expandir a área.

Também faz parte do plano expandir o uso da agricultura 4.0 (big data, cobertura e transmissão de dados no campo, equipamentos para controle de qualidade das operações agrícolas e softwares de gestão e processamento de dados), de fertilizantes organominerais, em substituição de químicos - com aplicação de vinhaça - e implantar tecnologias de nutrição foliar, para elevar produtividade e ATR (Açúcares Totais Recuperáveis).

"Esse projeto está alinhado com um dos pilares da IFC, que é tornar a sustentabilidade ambiental e social um motor do agronegócio. O aumento da participação de biocombustíveis sustentáveis e energia limpa na matriz energética é estratégico para o Brasil alcançar a meta estabelecida no Acordo de Paris", disse Carlos Leiria Pinto, gerente-geral da IFC para o Brasil. Segundo ele, os recursos são 100% voltados para combater os efeitos das mudanças climáticas.

O Grupo Cocal, com sede em Paraguaçu Paulista, produz 8,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano e 400 milhões de litros de etanol. A empresa tem 142 mil hectares de canaviais sob sua gestão.   

Fonte: Valor Econômico                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

  • RP pode ter ônibus a gás

    O SuperaLab – laboratório de inovação aberta –, inaugu­rado nesta segunda-feira, 9 de agosto, no Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto, irá sediar um estudo sobre impactos da utili­zação do gás natural no trans­porte público no município. O projeto GasBrasiliano Inova­tion Hub (GaBih) é promovi­do pela empresa responsável pela distribuição de gás natural canalizado na região N

  • Planos da GasBrasiliano para integração dos setores de agronegócio e gás

    A GasBrasiliano, controlada pela estatal de petróleo e gás Petrobras por meio de sua holding de distribuição Gaspetro, é responsável pela distribuição de gás natural por dutos em 375 municípios do noroeste do estado de São Paulo.

  • GasBrasiliano inicia negociação com 6 potenciais supridores de gás natural

    A GasBrasiliano informou que selecionou seis potenciais supridores para seguir na fase de negociação da chamada pública coordenada (CP22), aberta por cinco concessionárias, para contratação de gás.